pelo Hieromonge Damasceno Christensen  "O mistério da Tríade Una, já que tem haver com a Essência de Deus, é incompreensível não...

Incompreensibilidade da Tríade

/
0 Comments
pelo Hieromonge Damasceno Christensen 

"O mistério da Tríade Una, já que tem haver com a Essência de Deus, é incompreensível não apenas para a razão discursiva, mas também para intuição pura. É por isso que mesmo Lao Tzu não pôde chegar à conclusão disso. Estranho dizer que, com o mistério da Tríade revelado, o homem sabe mais sobre Deus do que jamais conheceu antes, mas também percebe mais plenamente a absoluta incognoscibilidade da Essência de Deus.


Tanto Lao Tzu e os antigos Gregos falaram sobre a incompreensibilidade do Absoluto, de seu «inominável» – que como Gi-ming Shien observa, é também ligado com o conceito de Lao Tzu de «nada». Enquanto o Ser Absoluto desses filósofos está além da razão discursiva, não é, por natureza, incompreensível para a pura intelecção humana, e pode ser definido positivamente como o Uno. Com o mistério da Tríade, a incompreensibilidade de Deus é mostrada radicalmente, de forma mais absoluta do que Lao Tzu ou os Gregos poderiam imaginar. Em “Os Nomes Divinos” – um tratado místico do Século IV, escrito na tradição de S. Dionísio  o Areopagita – o autor examina os nomes do Uno, que podem ser aplicado a Deus, e, então, compara com outro “nome mais subline” – que é Tríade, que ensina-nos que Deus, em última análise, não é nem único ou muitos, e é ao mesmo tempo, sendo incognoscível no que Ele é.

Deus é igualmente mônada e Tríade, escreve São Máximos o Confessor. O ponto máximo da revelação é, assim, uma antinomia, um paradoxo que não pode ser resolvido por poderes humanos. O Arquimandrita Sofrônio escreve: «Nossa mente racionalmente funcional está presa em um vício, incapaz de se inclinar para um lado ou para o outro, como uma figura crucificada em uma cruz ».

O que Lao Tzu chamou de «inominável» do Absoluto, encontra, assim, sua plenitude na revelação na Unidade Triádica como um fato primordial. É a realidade última, dado que não pode ser deduzido, explicado ou descoberto por meio de qualquer outra verdade; porque não há nada que seja anterior a isso. O pensamento humano, renunciando a todo apoio, encontra seu apoio em Deus. Aqui o pensamento ganha uma estabilidade que não pode ser abalada; a ignorância passa ao conhecimento.

São Gregório Nazianzeno , que pode ser chamado de «poeta da Santíssima Trindade», descreve belamente sua contemplação desta antinomia suprarracional: «Assim que concebo o Um, sou iluminado pelo esplendor dos Três; assim que eu os distingo, sou levado de volta ao Um. Quando penso em qualquer um dos três, penso Nele como um todo e meus olhos estão cheios, e a maior parte do que estou pensando me escapa. Não posso captar a grandeza daquele Uno, como atribuir maior grandeza ao resto. Quando contemplo os Três juntos, vejo apenas uma tocha e não posso dividir ou medir a Luz indivisa».

Se o Mistério da Tríade Una não pode ser deduzido através de poderes humanos, por que Deus revelou a Moisés quando Ele revelou o mistério da «EU SOU»? A resposta do Arquimandrita Sofrônio segue:

«Deus revelou-se na medida em que Moisés poderia compreender, pois Moisés não poderia captar toda a revelação: “Farei toda a minha bondade passar diante de ti e proclamarei o nome do Senhor diante de ti ... te cobrirei com a minha mão, até que eu haja passado. ... E eu tirarei a minha mão, e me verás por trás, mas o meu rosto não será visto».

«Séculos se passaram antes que o verdadeiro conteúdo do surpreendente nome “EU SOU” fosse compreendido. Por todo o fervor de sua fé, nem Moisés, nem os profetas que eram seus herdeiros, apreciaram plenamente a bênção que lhes foi concedida. Eles experimentaram Deus principalmente através de eventos históricos. Se eles se voltaram para Ele em espírito, eles contemplaram na escuridão. Quando nós, filhos do Novo Testamento, carregamos o Antigo Testamento, notamos como Deus tentou sugerir aos nossos precursores que esse EU SOU é Um Ser e, ao mesmo tempo, Três Pessoas. Em certas ocasiões, Ele até mesmo fala de si mesmo como nós. "E Deus disse: Façamos o homem à nossa imagem, segundo a nossa semelhança". "E o Senhor Deus disse: Eis que o homem se tornou como um de nós". Um caso ainda mais notável ocorre com Abraão: três homens apareceram para ele, mas ele se dirigiu a eles como se fossem apenas um ».

Aqui, ao falar do vislumbre da Trindade Una no Antigo Testamento, não podemos negligenciar a frase inicial no Capítulo 42 do Tao Teh Ching, em qur Lao Tzu escreve, «O Três produz todas as coisas». Comentando esta passagem, Gi-ming Slum diz que os três representam «a reconciliação do oposto» – que não está longe da explicação de São Gregório Nazianzeno do significado da Tríade: “A Tríade se contém em perfeição, pois é a primeira que supera a composição da díade”. Gi-ming Shiem declarou ainda que «o Três é o princípio da ordem», e é assim que «produz todas as coisas». Aqui pode ser visto que Lao Tzu, embora não tenha sido dado a conhecer o significado completo da Tríade, no entanto, percebeu que era um Princípio Criativo." -- A Incompreensibilidade da Tríade, Cristo o Eterno Tao, Hieromonge Damasceno Christensen 



Recomendamos estes outros artigos

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.